Cidade de Itapema Mercado imobiliário

Aluguel de temporada em Santa Catarina: como não cair em armadilhas?

Aluguel de Temporada em Santa Catarina: cuidados para não cair em armadilhas

Muitas pessoas sonham em adquirir uma casa em praias paradisíacas como as de Santa Catarina. Enquanto não atingem esse objetivo, costuma-se alugar imóveis nessa região. Que cuidados devem ser tomados antes de fechar um aluguel de temporada em Santa Catarina?

Neste artigo, separamos algumas dicas para que você não tenha dor de cabeça na hora em que você mais precisa relaxar. Vamos a elas!

1. Tenha cuidado com o contrato

Um dos pontos mais importantes a ser levado em consideração na hora de alugar um imóvel de temporada é o contrato de locação, pois nele estarão escritos todos os detalhes do acordo feito, e isso protegerá tanto o locador como o locatário de surpresas desagradáveis.

Nesse documento, é necessário conter:

  • qualificação das partes – nome e informações pessoais do proprietário e do inquilino;
  • descrição do imóvel – endereço, metragem, número da matrícula do registro de imóveis e de contribuinte do IPTU. Esses dados são iguais aos que constam na matrícula da residência no cartório de registro de imóveis;
  • forma e vigência da locação – é preciso especificar a destinação do imóvel, nesse caso aluguel de temporada, e a duração do contrato, que não deve passar de 90 dias;
  • valores e condições para o pagamento – nesse item serão descritos a quantia a ser paga pela locação, bem como quaisquer outras taxas que serão cobradas como: seguro, caução, IPTU, água, luz, etc.; e
  • vistoria preventiva – será feito um documento com detalhes sobre a conservação da residência, e também uma lista com os objetos do local.

2. Desconfie de valores abaixo dos preços de mercado

É muito bom poder economizar, mas é preciso ter cautela para que essa vantagem não se transforme em uma experiência negativa. Segundo um artigo do site G1, há anúncios que mostram uma foto irreal de uma residência que está sendo alugada, ou que não existe.

Desse modo, o locatário acaba amargando um terrível prejuízo. Por isso, antes de fechar um acordo de aluguel com um proprietário que ofereceu um valor muito abaixo da média da região, investigue com muita atenção.

Para isso, consulte sites na internet e imobiliárias da região para ter uma visão do valor médio cobrado pelos locadores do lugar.

3. Analise fotos recentes do imóvel

Para não dar “um tiro no escuro”, é fundamental ver fotografias do imóvel desejado, prefira aqueles que fornecem imagens de todos os ambientes da residência. Por sua vez, suspeite de anúncios que apresentam apenas a foto da fachada da moradia.

Outra dica é usar o street view da Google para conferir se a imagem da residência que é mostrada no anúncio condiz com a realidade. Além disso, é importante lembrar que algumas fotos podem ser antigas e a ferramenta de localização da Google pode mostrar uma imagem desatualizada.

Nesse caso, duas coisas podem ser feitas, uma é entrar em contato com a imobiliária e se informar sobre a idade das fotos, outra é fazer uma visita ao local antes de alugar.

Se, por acaso, você notar diferenças entre as imagens do anúncio e o verdadeiro estado de conservação do imóvel, e mesmo assim quiser locá-lo, poderá negociar um desconto no valor do aluguel.

4. Prefira alugar por meio de imobiliárias

Alguns evitam usar os serviços de uma imobiliária por acharem que os custos são altos e o processo muito burocrático e, por isso, se arriscam em fazer uma locação ´pr temporada por intermédio de ambulantes (“plaqueteiros” ou “chavequeiros”) ou no “boca a boca” com o proprietário do imóvel.

No entanto, essa impressão sobre os serviços de uma imobiliária é bem distorcida, visto que os cuidados que uma imobiliária tem com o contrato de locação visam a proteção tanto do proprietário quanto do inquilino.

Por sua vez, os custos cobrados são menores do que um contrato de aluguel mal orientado que normalmente leva a muitos prejuízos financeiros, fora a incomodação. Além disso, muitos proprietários moram longe dos seus imóveis de temporada, e o inquilino fica sem o suporte do dono em caso de uma necessidade referente a residência.

Isso não acontece quando a locação é efetuada através de uma imobiliária, visto que essas empresas normalmente ficam bem próximas da região onde oferecem as casas para alugar. Ademais, quando o imóvel é locado por meio de uma imobiliária, o locatário fica protegido pelo CDC — Código de Defesa do Consumidor.

Contudo, antes de fechar um contrato com uma empresa do ramo imobiliário, certifique-se de sua idoneidade. Um modo de fazer isso é saber se ela e seus corretores estão filiados ao CRECI — Conselho Regional de Corretores de Imóveis — da sua região, que é algo obrigatório.

5. Atente para a mobília

Muitas das residências de temporada são mobiliadas, e esse conforto está incluso no valor do aluguel. Contudo, alguns locatários se esquecem de pedir um inventário (registro e condição dos móveis da moradia). Por que isso é importante?

Esse documento vai evitar possíveis mal entendidos, como o locatário ser acusado de causar um dano na mobília que fora feito antes de entrar no imóvel. Com esse papel em mãos, ao entrar na residência, o inquilino deve fazer uma vistoria para ver se as informações apresentadas condizem com a realidade da mobília.

Caso existam discrepâncias, tire uma foto para provar a real condição do móvel. Essa mesma atitude deve ser feita se não houver um inventário no contrato, pois poderá servir de prova diante de uma acusação de dano a um patrimônio da moradia.

6. Veja a localização

Verifique a localização da residência que se pretende alugar. É importante que ela esteja próxima a belezas naturais, mas que o acesso a comércio, aeroporto e rodoviária seja fácil e que haja uma boa infraestrutura na cidade.

Um lugar que reúne todos esses itens é a praia de Itapema. Ao visitar essa beleza litorânea, o turista se hospeda na cidade, que possui o mesmo nome, e tem a melhor infraestrutura do litoral norte de Santa Catarina. Além de poder usufruir dos inúmeros passeios e pontos turísticos disponíveis na região.

Sendo assim, basta seguir todos os cuidados apresentados neste artigo para que você possa alugar uma residência que fará seu descanso tornar-se uma memória para toda a vida!

O que achou de nosso post? Conseguiu entender como ser bem-sucedido em fazer um aluguel de temporada em Santa Catarina? Então, assine nosso newsletter e continue bem informado!

Sobre o autor

Imobiliária Shopping Imóveis

Deixar comentário.